Translate

sábado, 10 de maio de 2014

Acróstico




Saber a tua voz dizer de mim
Ouvir-te repetidas vezes tantas;
Mesclar tanto o teu não, quanto o teu sim,
Amanhecer te ouvindo (tu me encantas...)
Ir daqui até aí (te ouvir, eu vim)
Adormecer e perdir: me lê e canta...

Antoniel Campos

domingo, 27 de abril de 2014

Perfumes - Véio China

Voz: Somaia Marguerite Gonzaga


Nos meus olhos há lágrimas. Lágrimas que olham para a porta da sala, testemunha viva das malas que há pouco exilaram junto de ti. Porém a ausência não tolhe o rastro do teu perfume favorito, teimoso, que insiste ficar como seu eu fosse a viúva duma fragrância que fere e causa dor.
Não há como negar,  me sinto a chaga do mundo, ferida que não cicatriza, a dor que persiste, mas que diz que há vida lá fora e sons como esses que, eclodindo na janela são gotas duma mesma chuva que inunda dentro de mim
Ainda parada à passagem da sala, penso, repenso, e é tanta a dor, e o que faço?
Maldito seja o que não não sai de dentro de mim! Maldito sejas tu e o teu perfume que o meu amor abomina, mas que persiste incrustado mim e ganha os quartos e corredores a cada um dos meus passos, sufocando-me, confundindo, me assassinando.
Logo, me sinto mal e não mais quero respirar o ar dum passado de poucas horas, então saio e vou à procura de algum lugar que me faça  livre do peso da  idolatria que sinto por ti.
Pela mesma porta da sala alcanço o quintal e me misturo às águas da chuva e à fúria dos raios e trovões. Sim, sei que tenho pavor do estrondo que produzem, mas, mesmo que me amedrontem não arredarei pé. Portanto deixo a chuva molhar minhas roupas, o rosto, tocar meus lábios num momento que não é bom, é agonia, é meu desespero, destempero que me lesa às frações e me ocultam descobertas relegando-me ao descaso melancólico do teu amor.
Ainda estou frágil sob os rancores duma tempestade que mal inicia e tento evitar o desalento e não consigo, já que  desencontrada de mim sinto-me distante daquilo que fui, do riso fácil e um olhar de esperança eterna.
Sem saber como agir retorno para dentro da casa, e lá inesperadamente o teu cheiro me nauseia, enoja, mas mesmo que não se faça  motivo relembro os teus olhos, e eles são lindos, mas estão tão longe agora.
E é a imagem do teu olhar vagabundo que tatua minhas certezas, pois mesmo estando próximo estiveste tão ausente que jamais notaste as causas dos sorrisos nesta mulher que te amou.
Sim, essa é a  verdade e estou tão encharcada e tonta e ando para lá e pra ca como barata intoxicada, então entro e saio de quartos, inspeciono os corredores e retorno à sala acompanhada dum choro que me pede paciência e alguma necessidade do tempo.
Não preciso de tempo! Irrito-me em lamentos de leoa ferida à merce dum último disparo. Surpresa acolho os momentos que em mim as gotas estancam e estacionam em meus lábios, mas elas me  incomodam e obrigam-me a tocá-las com a ponta da língua. E assim eu faço e lhes sinto o sabor  insosso, óbvio sinal de que tudo é passível de mutação, pois já deslizaram mais salgadas.
Aturdida dirijo-me ao banheiro e acolho uma toalha de rosto, felpuda, e com ela vou à cozinha e preparo algo, preciso me ocupar. Feito, retorno para sala com uma pequena caneca à mão e a toalha ao ombro. Mas ali alguma coisa muda, está diferente, pois não mais ouço o barulho da chuva e nem dos raios e nem recende no ar o odor do teu perfume. Penso nisso por mais alguns instantes e um riso nervoso me escapa junto de  duas lágrimas retardatárias; talvez o teu rastro, igualmente covarde se dobrou ao delicioso e estimulante aroma de coisa fresca. - Boa viagem querido! - Murmuro-te em desejo ao enxugar o solitário par de gotas na maciez das felpas.
Antes de descansar a toalha no braço do sofá olho para as chaves duma porta trancada no mesmo instante em que desponta em mim um sorriso triste, nostálgico, conformado até, mas voluntarioso ao sorver o longo gole do café ainda quente.


Véio China

terça-feira, 8 de abril de 2014

Cárcere



Fecho meu mundo por dentro! Abro a mente devagar, e a saudade é gigante. 
Um choro me prende na garganta...
Enquanto, a chuva, do lado de fora, soluça... Salpicando a vidraça
Olho pro tempo que nunca se surpreende...
Quem me condena, não sabe da metade de meus delitos...
Foram tantas as vezes que por amor me matei !


Selê Marinho


sábado, 22 de março de 2014

Clarice Lispector



"... faz de conta que ela não estava chorando por dentro -pois agora mansamente, embora de olhos secos, o coração estava molhado..."




domingo, 9 de março de 2014

Selê Marinho


Não quero o sabor amargo da vida...
Eu prefiro uma doce ilusão...
E um pote onde caiba a minha sede !






terça-feira, 4 de março de 2014

Selê Marinho




Não sabe da sede que tenho agora...
Nem das minas secas em meu coração...
Se houvessem cristais nas tuas águas...
Beber-te-ia até a última gota!
Renasceria verdejante só para povoar meu deserto!






quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

. Clarice Lispector in De amor e amizade .


"O prazer é abrir as mãos e deixar escorrer sem avareza o vazio pleno que se estava encarniçadamente prendendo. E de súbito o sobressalto: ah, abri as mãos e o coração e não estou prendendo nada! E o susto: acorde, pois há o perigo do coração estar livre!"




sábado, 22 de fevereiro de 2014

Selê Marinho



Experimentar o novo atrai...
Mas, usar o velho, é  que conforta!
Embora, ambos desnecessários, para quem, chega até aqui,
troteando nos cascos!



Selê





quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014







Escancarava portas e travas...
Bania demônios da teia...
Fomentava os pulsos...
Fervia o sangue nas veias...
Sentia o aroma das vontades brotando na pele...
E a ausência, em porções, saciava o desejo.
A falta que faltava, já não fazia mais falta...
Aprendia, que o mundo era um enorme celeiro vazio...
Colhia ventos sem muito espanto...
Foi preciso aprender a não precisar!
Ganhar forças pra carregar o grande vão...
E nele, sustentar as palavras que mamãe dizia...
"dorme, que a fome passa!"
É assim, que a dor adormece!


Selê